Imagem capa - Aprenda comigo: Como estabelecer estruturas de liderança de produto no seu negócio por Camila Farani
Empreendedorismo

Aprenda comigo: Como estabelecer estruturas de liderança de produto no seu negócio

Durante a minha trajetória já vi diversos erros sendo cometidos quando o assunto é administrar um negócio e lidar com a produção de diferentes produtos nos mais variados nichos, pensando nisso separei algumas dicas para você não apenas ler, mas coloca-las em prática ao longo do tempo.


Não dedicar tempo o suficiente no espaço do problema

         




                  

Para começar, você precisa entender o que é o espaço do problema e para que ele é necessário. O espaço do problema é toda a perspectiva de problemas e pontos fracos que seus clientes estão enfrentando, dessa maneira, ao conhece-los você consegue entregar produtos e recursos que atendam de fato a perspectiva do cliente e após todo esse tempo para conhecer o problema e o que de fato acontece, você consiga trazer soluções.


Um livro que indico para todos sobre esse assunto é o livro “Startup Enxuta”, em que aprendi que um dos piores erros do empreendedor dono de uma startup é trazer muito do que o cliente não precisa e pouco de soluções para o problema que ele enfrenta. Você precisa entender que dedicar um tempo, ou seja, o espaço do problema é essencial para trazer uma solução que não deixe gargalos.


Caso o contrário, provavelmente no primeiro deslize e aquele momento que a sua equipe se concentra principalmente ao espaço das soluções, ou seja, em que constrói e conceitua o produto sem de fato entender o espaço do problema e ter como repertório uma cartela escassa de clientes, com poucas opiniões e representatividade de dores, o seu concorrente te ultrapassa e o tempo que você não dedicou e provavelmente ele se empenhou a entender a dor do cliente como um todo composto por diversos fatores e detalhes que precisam estar bem arquitetados e entendidos, além de buscar repertório em diferentes opiniões.


Separei para isso, um estudo de caso sobre esse assunto que se adequa de fato ao que quero dizer. Uma empresa conhecida atualmente por milhões de professores, pais e alunos chamada ClassDojo oferece serviços de análise comportamental para os professores saberem qual estratégia é a melhor para usarem com os alunos em sala.


Todavia, no começo da trajetória a empresa buscava por oferecer planos de aulas para auxiliar os professores, no segmento de planejamento das aulas escolares. Seria a ideia “perfeita” dentro apenas do espaço de soluções.


Entretanto, após de fato buscarem por saber mais do espaço do problema e entenderem as dores de mais de 100 professores, chegaram em outros problemas, ou seja, o maior déficit e necessidade que os professores enfrentavam em sala era adotarem as estratégias certas para os alunos que apresentavam mal comportamento ou problemas de concentração. Após a ClassDojo entender de fato o que estava acontecendo de problemas, conseguiram trazer uma solução que resolvesse por meio de focarem no espaço que havia aquele problema e entender todos os gargalos que aconteciam.


Perguntas que você não pode deixar de lado quando você tem um negócio

Você provavelmente já leu perguntas como: “Qual é meu consumidor alvo?”  “Qual é minha ideia principal?”; “Como posso mensurar o sucesso do meu produto?”, “Como eu devo entregar valor para o consumidor no meu produto?”.


Mas você as levou na prática como um mantra para o seu negócio? A resposta dessas perguntas está em constante evolução quando você possui uma startup e é necessário que você nunca pare de as responder e continue focando nesses pontos.


Você não deve deixar nunca esses princípios de fora do seu produto

Seja obcecado pelo seu público


Seja obcecado pelos seus clientes e não pela competição de trazer novos produtos baseados na concorrência. Durante a minha trajetória já vi diversas startups nas quais o foco final não era exatamente no cliente e sim, no que a concorrência estava fazendo e como supera-la.


Sim, é importante você ficar atento ao mercado, mas o seu foco precisa ser nas dores e como você vai trazer soluções para elas. Você precisa ser obcecado ao seu cliente e como será a experiência dele com o produto.


O mercado pede por produtos com usabilidade

Leve ao mercado produtos valiosos e utilizáveis, você deve levar produtos que sejam de utilidade ao seu público e você terá essa certeza por meio da validação, ou seja, o teste por meio dos clientes. Seu produto não vai curar todas as dores do Mundo, mas caso você consiga trazer 3 ou 4 soluções que de fato sejam úteis na vida do seu cliente, provavelmente seu produto vai dar certo, caso não, você ainda tem tempo de focar no problema e trazer novas soluções.


“Foco significa dizer não às centenas de boas ideias que existem. Você tem que escolher com cuidado. Na verdade, estou tão orgulhoso quanto pelas coisas que não fizemos quanto pelas coisas que fizemos.” - Steve Jobs


Nunca deixe de lado o Design do seu produto

O design do seu produto faz a diferença, mesmo que em muitos casos talvez você considere a funcionalidade do seu produto, isso não é suficiente. Seu produto precisa ser vendido levando a experiência do usuário em consideração, desde a função que ele apresenta até o design e como seu produto será de fácil uso para o seu cliente. É necessário que ele seja enxuto e bem elaborado.


Não deixe de lado as hipóteses, testes e iterações, você precisa testar seu produto diversas e de diferentes maneiras com vários públicos diferentes.


Foque nos resultados originados pelo processo

Para finalizar, meu último conselho é que você não deixe nunca de priorizar os resultados sobre a produção, não importa de fato a sua dedicação ou recursos utilizados, mas sim em qual resultado foi alcançado, qual foi o resultado final do seu trabalho?


Lembre-se sempre que o seu produto de sucesso, será o resultado do foco em entender os problemas do seu cliente e conseguir oferecer uma solução que cure dores e alcance resultados.